domingo, 24 de abril de 2011

Conversa típica entre mim e a Keyte

"Karol, você não é normal."
"Sou, sim."
"Não, não é."
"Eu não sou e não quero ser, mas isso também é normal."
"Isso sim!"

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Ameaça constante

A Keyte se irritou com algo que eu disse ou fiz, não me lembro.
"Karol, eu já disse que vou te matar hoje?"
Eu respondi "Não. Hoje não."
"Hoje não?"

Depois eu perguntei "Quantas vezes você vai me matar depois de Relíquias da Morte parte II?"
Ela suspirou e disse "Olha... Você vai ter que ter disposição"

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Nome: William Shakespeare
Função: Matar todo mundo no final da peça.
Se os personagens principais não morreram é porque alguma coisa deu errado.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Funkeiro deve ser uma das profissões mais fáceis que existe.


Não precisa ter estudo, tão pouco o conhecimento da Língua Portuguesa (ou Brasileira, como preferirem). Não precisa ser bonito, nem mesmo ter uma boa voz, afinal, por que cantor tem que ter uma boa voz?
É só “cantar” um monte de merda com “um pouco” de pornografia, e colocar uma batida, às vezes com pedaços de outras músicas, porque, afinal, não precisa de criatividade, muito menos o mínimo de conhecimento sobre MÚSICA.
Sinceramente, eu não chamo isso de música, eu chamo de barulho, simplesmente, e ainda pra ser muito gentil.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Minhas Outras Pessoas

Sou minha própria platéia
de minhas próprias palavras,
com elas plasmo as ideias
nos plágios de minha lavra.

São plágios da vida e além
da vida que vejo em mim
nesses momentos. Porém,
só nesses sinto-me assim.

Se escrevo minhas palavras
como se não fossem minhas,
e as minhas como se de outras (pessoas),
quem serei não adivinhas.

Se nem eu consigo ver-me
no que escrevo! Hei-me inerme...

Tom Zumac