quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Os céus choram comigo esta noite.
Sinto frio, vazio.
Sinto-me rastejar.
Tremo...
E calor não há,
senão o da solidão que me abraça.
Multiplico-me em pensamentos, desejos,
Amor e angústia.
Vivendo de sonhos, eu morro.
E morro a cada vez que me escapas.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Falling asleep
I hear a bird sing
As pieces of time
Bring pictures to my mind
The song fills my ears
While the flashes let me blind

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Chove no inferno
E estou cinza
Como a manhã de uma chuva fantasma

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Afluentes

Os afluentes deságuam no rio do tempo. Suas moléculas se agitam, mudam de lugar a cada segundo. Levam suas águas a lugares antes desconhecidos.
Às vezes o tempo é curto. Às vezes a água corre devagar.
O mergulho pode ser profundo... O choque. A busca por ar.
As luzes atraem... ofuscam... encantam... confundem...
Guiam, enquanto me perco nelas.
Maravilhosas luzes difusas.
Nuvens e cores suspensas, suspeitas...
Pôr-do-sol. Amanhecer. Espera. Delírio.
E cores... cores tantas que não se pode contar.

segunda-feira, 22 de abril de 2013


Cai...
Caem as gotas da chuva
enquanto dormes
E uma sombra incandescente
vela teu sono

Finda o dia
Tua alma sussurra
enquanto teu corpo padece
Tua consciência diz
“Calma”

Água
Fogo
Completando-se
Consumindo-se
Renovando-se
Esgotando-se
para enfim preencher

A roda está em movimento

O que farias
com o mundo nas mãos?

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Shadows and Angels

I see shadows, my love.
Good and bad
Light and heavy
Dark...
And a good kind of dark.
And this one I want more.
I want the shadows to make us invisible
Cause you're the only one who sees me.
And I want you so badly
Like I never did

Angels, come.
Take us far away
To where the birds can sing
And the shadows are those of the sun
And candles at night
We can visit another time
And other worlds
In the books that we'll share
Dream and reality
Daydream, fantasy
Um dos meus escritores preferidos me respondeu no Twitter:


Markus Zusak: autor de A Menina Que Roubava Livros (original: The Book Thief) e Eu sou o mensageiro (I am the Messenger)
 

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Conversa de hospício


A: Maaaan, vc não acredita... um mosquito acabou de pousar na minha blusa e chamei ele de “desgraçado! Filho de uma vaca!”... Agora imagina uma vaca parindo um mosquito... Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk a diferença de tamanho é bem pouca.

B: Estava eu imaginando o quão pior seria se fosse um mosquito a parir uma vaca.

A: Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, ai que dor. A vaca parindo o mosquito não ia nem sentir... no máximo seria uma “cosquinha” – ugh

B: Ah man, vamos pra um hospício se alguém ler essas msgs man! 
Analisando por um ângulo mais sensato, como uma vaca cruzaria com um mosquito? Véi, ninguém explicaria isso.

A: Meu ex-professor disse que tá trabalhando numa casa de doentes mentais, e que eles tem as melhores histórias...

B: Véi, se ele vir pra cá vai encontrar cada uma. 

domingo, 18 de novembro de 2012

O texto sobre o texto ficou maior que o próprio texto.

Moment


I wonder what... I wonder so many things. I wonder what all this really means. I wonder what I mean… to you. I need to know what is really happening. If it happens the same to you.
I want to stop the time. To prolong it. To preserve the moment. Not only in my memory.
I’m happy and sad at the same time. Happy to see you. Sad for not being by your side. And I’m so confuse. I thought I was confuse, but never like this.
You free me. You bind me. It’s fascinating, and despairing.
I want to get closer. Hold me, I’m falling. I want to fall and yet be in your arms. I want to fly. With you.

Alternative Version

P.s.: Esse é o "texto problemático" que eu já deveria ter postado.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Texto problemático

Tem um texto que está me dando trabalho. Eu comecei a pensar em inglês e fui escrevendo. Estava indo bem até eu ficar presa no verbo "prender". Eu acho que nem pensei em usar "take". Eu o conheço há tempos, mas não me lembro de tê-lo usado com o sentido de "prender". E "take" tem inúmeros significados, ocupa quase uma página inteira do dicionário! Então eu procurei "prender" e procurei de volta as traduções do inglês para o português para ver qual definição melhor se encaixava, mas nenhuma parecia servir. Não, meu "prender" não é no sentido de ir para a cadeia, muito menos de "parafusar", mas também não é "grudar" e nem "agarrar". Simplesmente nenhuma parecia servir, ou eu estava um pouco cega.
Li o texto em português. Ficou bom também, tem uma parte que é até melhor em português, mas o final é melhor em inglês (na verdade o começo também, já que começou em inglês). Mas não adianta, se eu escrevi originalmente inglês, ele vai ficar em inglês! Não vou coloca-lo em português porque estou com problema em um verbo. Pensei em tirar a parte que tem "prender" mas minha prima me proibiu. Ela falou "Você não vai tirar! Ficou legal." Eu fiquei com cara de assustada e perguntei "Você manda em mim agora?" ela: "Você não vai tirar, eu gostei."
Mas, depois do verbo e do idioma, surgiu outro "problema". Eu finalizei o texto. Os parágrafos são compostos por frases curtas, e eu acabei percebendo certo ritmo poético. Surgiram até algumas rimas, sendo que minha intenção não era fazer um poema. Vi como ficava em forma de poema. Ficou interessante.
Falei para a Keyte, mas ela botou na cabeça que é melhor em forma de texto, sendo que ela só leu o rascunho! (Aliás, foi engraçado ela lendo... "não... vai me dizer que isso aqui não é um 'd'?" - meu "c" fica muito junto do "l", que é fino, e os dois juntos parecem um "d". Às vezes o "d" fica aberto e parece "cl". Ela também apontou o meu "T" maiúsculo e falou "esse aqui é o meu 'I'". E meu "m" e meu "w" são parecidos. - Ela disse "calma, vou ter que ler tudo de novo, eu tava lendo 'mant', não sabia o que era 'mant', mas tudo bem..." Eu ri demais "I mant to stop the time")
Ela é teimosa, nem leu em forma de poema e fala que sabe que não vai gostar. Mas eu não vou colocar em poema só para provocar, ainda não consigo decidir como fica melhor.

domingo, 4 de novembro de 2012

Ontem eu acordei querendo ouvir Nicest Thing, hoje foi Never Let Me Go. Hm. Desse jeito quero ver o que vai ser amanhã.

sábado, 3 de novembro de 2012

Ultimamente eu tenho tido raiva do meu celular tocando músicas no aleatório. Tem 612 músicas e ele insiste em repetir algumas. Mas hoje ele foi um lindo. Eu estava com vontade de ouvir Nicest Thing, da Kate Nash, e depois tocou:
Chanson Triste - Carla Bruni
What The Water Gave Me - Florence + The Machine
Bagatelle - Yann Tiersen
Blinding - Florence + The Machine
Revenge - 30 Seconds to Mars
Hurricane - 30 Seconds to Mars
Rain on your parade - Duffy
Early Winter - Gwen Stefani
Leave out all the rest - Linkin Park
L'homme aux bras ballants - Yann Tiersen
I see dead people in boats - Hans Zimmer (Trilha sonora de "Piratas do Caribe: No fim do mundo")

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Escrever é libertador, mas pode ser perigoso também. Não só quando o leitor confunde eu-lírico com autor.

Sempre fui uma pessoa discreta, e também já fui mais tímida. Muitas vezes me senti invisível. Agora, no entanto, sinto-me transparente. Será possível que seja tão óbvio?

So close and so far

My eyes meet your eyes
Our hands hold each other sometimes
And although I like the way you speak
Why are our mouths so far from each other?
Why can't our lips also meet?
To post or not to post. That is the question.

domingo, 28 de outubro de 2012

Longa Estrada


Sonhei com essa estrada umas três ou quatro vezes.  Nem sempre eu via as mesmas coisas, mas sabia que é a mesma, ela é muito longa, levam-se horas para chegar ao fim. Das primeiras vezes eusó pensei “De novo essa estrada? Por que será?”.E não pensava no que poderia significar.
É uma espécie de trilha, e a paisagem é linda, muitas árvores, vez ou outra um riacho, e pedras. Na estrada, declives, inclinações, passagens traiçoeiras, vários lugares fáceis de escorregar e cair; obstáculos, muitas curvas. Era uma estrada que levava para cima, devagar e difícil de subir – poucas pessoas se aventuravam–, e quanto mais alto, mais fácil era tropeçar e cair.
Mesmo sendo um sonho, eu não sei como não me cansei. Eu não vi o tempo passar, mas sei que foram horas. E eu não me lembro de ter passado por dificuldades. Era preciso manter o equilíbrio durante todo o percurso, e eu mantive.
Quando se chegava ao topo, a paisagem era maravilhosa. O espaço no ponto mais alto era pequeno (facílimo de alguém se jogar/cair dali e morrer), mas a vista era enorme, diferente de poucos metros atrás, onde é mais baixo.E é triste quando uma pessoa chega perto do fim e percebe que falta pouco, e não tem mais para onde ir, e que terá de voltar de qualquer maneira. Então, morto de cansaço, não dá aqueles últimos passos, mas simplesmente vira as costas e volta, pensando que o passeio não valeu a pena. Deixou o melhor para trás, não sabe o que perdeu. Eu estive lá, e aproveitei a paz que ali reina.

P.s.: Esse sonho é do ano passado, mas eu não tinha escrito como gostaria.


sábado, 27 de outubro de 2012

Why do you hate me this much?
It’s not my fault.
I never asked for this – I couldn’t ask anything.
But I am here, can’t you just deal with it?
Yes, I’m still here. I don’t want to, but I am. It’s not so easy.
I try to help but you never listen to me.
You treat me like I was nothing.
I don’t need you for anything.
I don’t need you to make me worse. To make feel a victim, or a monster.
I’m always better when I’m without you.
Nothing hurts me more than you do.
I’m tired.
I’m so, so tired.
I’m only wasting my time, my life with you.
I don’t even want to say with you. We’re not together. And it’s been a long time.